Fui à maior Parada LGBT+ da minha vida. Foram mais de 3 milhões de pessoas na rua e, além das costumeiras alegorias, fantasias, beijos e música, a marcha de 2019 teve um ingrediente poderoso: a indignação das LGBT+ contra Bolsonaro. A força de milhões que não aceitam a LGBTfobia explícita do presidente da República e de seus auxiliares que ocupam a Esplanada dos Ministérios. Vivemos o Governo mais abertamente antidiversidade da história recente do nosso país e que lidera uma ofensiva para desconstruir nossos direitos e conquistas.

Horas depois da decisão do Supremo Tribunal Federal de equiparar a LGBTfobia ao crime de racismo, o próprio Presidente criticou a decisão e defendeu um ministro evangélico para a Corte Suprema do país, demonstrando completo desconhecimento sobre o papel da justiça. O trabalho organizado dos ministros e especialmente da ministra Damares na projeção de um discurso antifeminista e antiLGBT é grave e tem consequências muito objetivas nas nossas vidas. Este governo simboliza a legitimação da violência contra nossos corpos e, especialmente, às pessoas mais vulneráveis como travestis, transexuais, mulheres lésbicas e negras. Infelizmente, vivemos um momento duro da história.

O que a Parada de São Paulo nos mostrou é que há uma onda potente de resistência. Ontem tivemos milhões de pessoas nas ruas, dando uma resposta política ao Governo e suas medidas. Não daremos nenhum passo atrás. Artistas, militantes e parlamentares compareceram para reforçar uma rede institucional nacional pela liberdade e contra os retrocessos.

Estive ao longo da Parada com os parlamentares do PSOL David Miranda, Sâmia Bonfim, Mônica Seixas, Isa Penna, Érika Malunguinho e Érika Hilton. David, que vive um momento difícil devido às ameaças que ele e seu marido (Glenn Greenwald) têm sofrido, viu de perto a solidariedade e o carinho e centenas de milhares de LGBTs. Uma demonstração evidente de que não vamos deixar os nossos para trás. Foi lindo ver como nosso Partido é reconhecido pela sua história e comprometimento com a pauta LGBTI.

Em um resumo simples, a Parada de São Pulo foi uma demonstração política poderosa contra este governo e nos deu um grande ânimo para seguir lutando. Na semana que completamos 50 anos de Stonewall, nós seguimos firmes!

Fábio Felix
Junho de 2019

Conheça nossa Newsletter!

Inscreva-se para receber informações toda semana sobre o trabalho do mandato na Câmara Legislativa do DF.

Obrigado! Sua inscrição foi confirmada.