CPI do Feminicídio

CPI do Feminicídio

[et_pb_section fb_built=”1″ admin_label=”Banner” _builder_version=”4.0.4″ background_image=”https://fabiofelix.com.br/wp-content/uploads/2019/10/banner-cpi-feminicidio2_desktop.png” custom_padding=”90px|0px|0|0px|false|false” background_last_edited=”on|desktop” background_image_phone=”https://fabiofelix.com.br/wp-content/uploads/2019/10/banner-cpi-feminicidio2_mobile.png” background_enable_image_phone=”on” background_size_phone=”cover” collapsed=”off”][et_pb_row column_structure=”1_3,1_3,1_3″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”27px|0px|120px|0px|false|false” collapsed=”off”][et_pb_column type=”1_3″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_3″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_divider show_divider=”off” disabled_on=”on|off|off” _builder_version=”3.29.3″ height=”100px”][/et_pb_divider][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_3″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section][et_pb_section fb_built=”1″ admin_label=”Header” _builder_version=”3.29.3″ background_color=”rgba(240,231,247,0.13)” custom_padding=”47px|0px|0|0px|false|false” collapsed=”off”][et_pb_row column_structure=”3_5,2_5″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”11px|0px|22px|0px|false|false” collapsed=”off”][et_pb_column type=”3_5″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text disabled_on=”on|off|off” admin_label=”desktop” _builder_version=”4.0.4″ text_font=”IBM CONDENSED LIGHT||||||||” header_font=”||||||||” header_text_align=”left” header_2_font=”Oswald||||||||” header_2_text_align=”left” header_2_text_color=”#4d1345″ header_2_font_size=”32px” header_2_line_height=”1.7em”]

Agora precisamos acompanhar de perto!

Atualização 31/10/19: Mobilização das mulheres e da oposição na Câmara Legislativa resultou na instauração da Comissão Parlamentar de Inquérito que vai investigar crimes e rede de serviços disponíveis para as mulheres do DF.

Depois de 43 dias da publicação da CPI do Feminicídio, a Câmara Legislativa finalmente decidiu formalizar a indicação dos seus membros. Como a composição inicial não continha mulheres e pouco espaço para a oposição, o bloco Democracia e Resistência (PSOL/PT) se uniu às mulheres da cidade para cobrar novas indicações e a instalação imediata da CPI, que foi idealizada pelos deputados Distritais Fábio Felix (PSOL) e Arlete Sampaio (PT).

Os trabalhos terão duração de 180 dias – até abril de 2020 – prorrogáveis por igual período. Cinco parlamentares vão compor o grupo: Arlete Sampaio (PT), Fábio Felix (PSOL), Telma Rufino (Pros), Cláudio Abrantes (PDT) e Hermeto (MDB).

A criação da CPI só foi possível graças à constante mobilização das mulheres, que realizaram uma assembleia popular, este abaixo-assinado com mais de mil assinaturas e protestaram na porta e na galeria da CLDF. Para o deputado Distrital Fábio Felix, a CPI tem o objetivo de “investigar o que o Poder Público está fazendo, como andam as investigações de feminicídio no DF, além de ouvir mulheres e especialistas para propor alternativas de enfrentamento do fenômeno”. A meta é que, ao fim dos trabalhos, a CPI entregue um relatório produtivo e que apresente propostas eficazes para o fortalecimento da rede de proteção de vítimas de violência.

[/et_pb_text][et_pb_text disabled_on=”off|on|on” admin_label=”celular” _builder_version=”4.0.4″ text_font=”IBM CONDENSED LIGHT||||||||” header_font=”||||||||” header_text_align=”left” header_2_font=”Oswald||||||||” header_2_text_align=”left” header_2_text_color=”#4d1345″ header_2_font_size=”32px” header_2_line_height=”1.7em”]

Agora precisamos acompanhar de perto!

[/et_pb_text][et_pb_divider show_divider=”off” disabled_on=”on|on|off” _builder_version=”3.29.3″ height=”150px”][/et_pb_divider][/et_pb_column][et_pb_column type=”2_5″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text admin_label=”assine” _builder_version=”4.0.6″ text_font=”Oswald||||||||” text_font_size=”15px” text_line_height=”1.3em” text_font_tablet=”” text_font_phone=”” text_font_last_edited=”on|desktop” text_font_size_tablet=”” text_font_size_phone=”14px” text_font_size_last_edited=”on|desktop” text_line_height_tablet=”” text_line_height_phone=”” text_line_height_last_edited=”on|desktop”]

[gravityforms action=”entry_count” id=”9″] pessoas assinaram o abaixo assinado! Como a CPI já foi aprovada, agora você pode se inscrever para receber notícias sobre o andamento dos trabalhos.
[gravityform id=”9″ title=”false” description=”false”]

[/et_pb_text][et_pb_text disabled_on=”off|on|on” admin_label=”celular” _builder_version=”4.0.4″ text_font=”IBM CONDENSED LIGHT||||||||” header_font=”||||||||” header_text_align=”left” header_2_font=”Oswald||||||||” header_2_text_align=”left” header_2_text_color=”#4d1345″ header_2_font_size=”32px” header_2_line_height=”1.7em”]

Atualização 31/10/19: Mobilização das mulheres e da oposição na Câmara Legislativa resultou na instauração da Comissão Parlamentar de Inquérito que vai investigar crimes e rede de serviços disponíveis para as mulheres do DF.

Depois de 43 dias da publicação da CPI do Feminicídio, a Câmara Legislativa finalmente decidiu formalizar a indicação dos seus membros. Como a composição inicial não continha mulheres e pouco espaço para a oposição, o bloco Democracia e Resistência (PSOL/PT) se uniu às mulheres da cidade para cobrar novas indicações e a instalação imediata da CPI, que foi idealizada pelos deputados Distritais Fábio Felix (PSOL) e Arlete Sampaio (PT).

Os trabalhos terão duração de 180 dias – até abril de 2020 – prorrogáveis por igual período. Cinco parlamentares vão compor o grupo: Arlete Sampaio (PT), Fábio Felix (PSOL), Telma Rufino (Pros), Cláudio Abrantes (PDT) e Hermeto (MDB).

A criação da CPI só foi possível graças à constante mobilização das mulheres, que realizaram uma assembleia popular, este abaixo-assinado com mais de mil assinaturas e protestaram na porta e na galeria da CLDF. Para o deputado Distrital Fábio Felix, a CPI tem o objetivo de “investigar o que o Poder Público está fazendo, como andam as investigações de feminicídio no DF, além de ouvir mulheres e especialistas para propor alternativas de enfrentamento do fenômeno”. A meta é que, ao fim dos trabalhos, a CPI entregue um relatório produtivo e que apresente propostas eficazes para o fortalecimento da rede de proteção de vítimas de violência.

[Sassy_Social_Share type=”floating”]

[/et_pb_text][et_pb_text admin_label=”redes” _builder_version=”3.29.3″]

[Sassy_Social_Share type=”floating”]

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]