No dia 19 de setembro as trabalhadoras e os trabalhadores de escolas públicas do Distrito Federal (membros da carreira de Políticas Públicas e Gestão Educacional – PPGE) entraram em greve após realizarem diversas assembleias, a última com mais de 3 mil servidores. O governo Ibaneis tem se recusado a dialogar e a atender os pleitos legítimos da categoria.

A carreira de PPGE exerce funções essenciais para o bom funcionamento da comunidade escolar, desde atividades administrativas em secretarias, assistência aos estudantes e até demandas como a observação e o cuidado com segurança, alimentação, atendimento psicológico e dentário.

A categoria possui mais de 8.400 profissionais na ativa e mais de 13 mil aposentados e pensionistas que buscam melhores condições de trabalho e a valorização de suas carreiras. Dentre as reivindicações da categoria, os principais pontos são: aumento da GIC (Gratificação de Incentivo a Carreira) dos atuais 40% para 70%; reestruturação da carreira de PPGE; novas tabelas salariais e tratamento isonômico em equiparação à carreira magistério.

A primeira assembleia da categoria foi no dia 13 de setembro. Durante a passeata que os servidores faziam pacificamente, a Polícia Militar do DF utilizou violentamente gás de pimenta nos profissionais, violando seus direitos básicos de se manifestarem e lutarem por seus direitos.

No dia 19 de setembro, a categoria fez a sua segunda assembleia em que foi formado o Comando de Greve e consolidada a greve. No dia 21, a categoria realizou novo ato na Sede da Secretaria de Educação. Os servidores estão realizando variados piquetes em distintos locais da cidade. Neste fim de semana vai acontecer uma nova reunião do Comando de Greve, com indicativo de nova assembleia nos próximos dias.

Durante a greve das e dos professores em junho de 2023, servidores da PPGE realizaram negociações paralelas com o Governo do Distrito Federal. O governador e a vice se comprometeram a atender o pleito da carreira, por isso decidiram não aderir à greve junto ao SINPRO. Mas a Secretaria de Planejamento e Gestão enviou para a Câmara Legislativa do DF Projeto de Lei (PL) apenas contemplando a carreira do magistério.

O movimento de greve da carreira de PPGE é forte e possui adesão da maioria da categoria, cerca de 80% fia trabalhadores está apoiando e participando da greve. Além disso, há apoios importantes da sociedade, como de estudantes, pais, outros sindicatos e também do parlamento. Nosso mandato atua junto à categoria na reivindicação por direitos e valorização.