O deputado Fábio Felix (PSOL-DF) lançou nesta segunda-feira (8) a Frente Parlamentar de Prevenção às ISTs e Defesa das Pessoas com HIV/AIDS, na Câmara Legislativa do Distrito Federal.

Fábio Felix destacouem sua fala inicial, o apagão em uma série de políticas públicas, provocadas pelo governo Bolsonaro, principalmente na área sobre HIV/AIDS. “Era um  governo de extrema direita que trazia esse debate para uma esfera moral que desumanizava e desqualificava a pauta, o que gerou um esvaziamento no financiamento, na capacidade de atuação e na elaboração de novas diretrizes para adequar aos cenários atuais”, explicou o parlamentar.

Fábio também ressaltou que o Brasil já foi referência em políticas referentes à prevenção e ao tratamento do HIV, mas tendo em vista o grande retrocesso dos últimos anos, é fundamental uma Frente Parlamentar para retomar a discussão da temática. “A gente vive um momento ruim em relação à prevenção e defesa das pessoas com HIV/AIDS, então eu acredito que para fazer o resgate dessa discussão é importante a participação da sociedade civil, além da responsabilização também do GDF que faz a gestão do SUS a nível distrital”.

Para finalizar, o deputado afirmou que a perspectiva é de que a Frente Parlamentar tenha um funcionamento administrativo para que possibilite a criação de projetos de leis, realize fiscalizações e amplie o diálogo com o poder público. “Eu sou ativista do movimento LGBTQIA+ que sofre de vulnerabilidade na sociedade, que é colocado à margem das políticas públicas historicamente, que sofre discriminação, violência e preconceito. Então precisamos conquistar espaços para realizar a mudança e essa Frente é uma luz no fim do túnel para que o legislativo se posicione sobre essa questão”.

Em seguida, Fábio Felix entregou Moções de Louvour a personalidades que se destacaram na luta em prol da Prevenção às ISTs e em Defesa das Pessoas com HIV/AIDS.

Confira abaixo os agraciados:

Ariadne Ribeiro Ferreira – defensora dos direitos das pessoas vivendo com HIV. Seus projetos inspiraram políticas públicas reconhecidas mundialmente em saúde mental e HIV. Atualmente é oficial de igualdade e direitos do Unaids, programa conjunto das nações unidas sobre HIV/AIDS.

Beatriz Maciel Luz – atuou como analista técnica de políticas sociais no Ministério da Saúde, participando da discussão e implementação de políticas públicas relacionadas à rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas. Atualmente, é gerente da gerência de vigilância de infecções sexualmente transmissíveis, na SES-DF, área técnica responsável pela ampliação das estratégias de prevenção, diagnóstico e assistência.

Daniela Mendes dos Santos Magalhães – atua na vigilância da sífilis e outras IST e é presidente do comitê de investigação da transmissão vertical no DF.

Deniz Catarina – representante do Movimento Nacional de Cidadãs Positivas (MNCP) no Centro Oeste e no Distrito Federal e conselheira de direitos humanos pela sociedade civil do Distrito Federal.

Francisco Job Neto – médico, mestre em saúde pública e doutor em doenças infecciosas.

João Elias Lima Araújo – representante distrital da rede nacional de pessoas vivendo com hiv e aids (RNP+ Brasil) e membro do fórum de hiv/aids do distrito federal (FOA-DF).

Leonardo moura da silva – atuou no grupo de apoio à prevenção da aids de florianópolis (GAPA/SC) desde 2016, onde desenvolveu projetos sociais de educação em saúde com adolescentes e jovens, além de atuar com profissionais do sexo, comunidade lgbt+ e população em situação de rua. Durante a pandemia de covid-19, coordenou projeto emergencial destinado para pessoas vivendo com ou em vulnerabilidade ao hiv/aids com entrega delivery de medicação e insumos de prevenção.

Rosildo Inácio da Silva – vivendo com HIV há 19 anos, conheceu o movimento social de luta contra aids em 2009. é presidente do Fórum de Ongs, Redes e Movimentos de Luta Contra Aids-DF (FOA-DF) e do Grupo de Apoio aos Soropositivos-df (GAS-DF), além de membro da rede nacional de pessoas vivendo com HIV e aids (RNP+ Brasil).

Sergio André Davila da Silva – atua na área de prevenção ao HIV e outras IST desde 1992. Foi coordenador de ist/aids na SES/RS (até 2002) e na SES/DF (até 2018). Também foi chefe de planejamento do programa de ist/aids do Ministério da Saúde.

Sonia Maria Geraldes – atua no  centro de doenças infecciosas e na policlínica de Planaltina. Acredita que a saúde pública é uma construção coletiva, que envolve recursos financeiros e técnicos, mas é definida pelo engajamento e dedicação dos profissionais.