A inquestionável importância do Bumba Meu Boi de Seu Teodoro para a cultura brasiliense pode ser medida de várias formas: além de homenagens e títulos – como o de Patrimônio Imaterial do DF –, entre outros reconhecimentos, o nome de seu criador – Teodoro Freire (1921-2012) – batiza a Medalha do Mérito Distrital da Cultura. Para comemorar os 60 anos da festa, que chegou ao Distrito Federal pelas mãos deste maranhense, a Câmara Legislativa realizou sessão solene na tarde desta segunda-feira (24), aberta com o som do tambor e a evolução dos brincantes e demais personagens da manifestação popular.

Na presença de familiares de Seu Teodoro e de representantes de vários grupos culturais, o deputado Fábio Felix (Psol), autor da iniciativa da homenagem, saudou os participantes e agradeceu o papel desempenhado, durante essas seis décadas, pelo movimento. Também defendeu que o governo precisa aumentar “o aporte de apoio à cultura”.

Aos 90 anos de idade, dona Maria Sena, viúva de Seu Teodoro e “matriarca do Boi”, se disse “emocionada” com a solenidade. Ela, que, desde o início, esteve envolvida nos preparativos para a festa, contou que o marido ao encontrá-la, às vezes, “chateada”, afirmava que um dia ela iria sentir felicidade por ele “fazer esse Boi”. “E, é como me sinto agora”, revelou aos presentes.

A deputada federal Erika Kokay (PT-DF) destacou o empenho de Seu Teodoro na criação do Centro de Tradições de Sobradinho e do museu que conta o desenvolvimento da manifestação popular no Distrito Federal. “Quando vejo o Boi é como se estivesse vendo Seu Teodoro”, afirmou, fazendo um paralelo entre a história encenada no festejo com “a força do povo brasileiro, da ancestralidade e da cultura”.

Entusiasta e inspirador

Com o falecimento de Seu Teodoro, seu filho Guará Freire é quem está à frente da festa. Assim como suas irmãs que participaram da homenagem no plenário da CLDF, ele enumerou qualidades do mestre do Boi. “Era entusiasta e inspirador. Por isso, a gente faz o que acredita, que ama e que o mestre Teodoro trouxe pra nós”.

Nilzinete Maria Freire, por sua vez, também evidenciou “a resistência e a sabedoria” do pai ao trazer o Boi para o DF, após uma passagem pelo Rio de Janeiro. Enquanto a professora e pesquisadora Tamar Freire, além de passagens da história do Bumba Meu Boi de Seu Teodoro – como o encontro com Darcy Ribeiro, na Universidade de Brasília –, completou: “Educação e cultura caminham sempre juntas”.

Em nome da Secretaria de Cultura do DF falou Aquiles Brayner, subsecretário de Patrimônio Cultural. Além de lembrar a infância no Maranhão – “o medo e o fascínio pelo Boi” –, observou que “Seu Teodoro abriu a imaginação dos brasilienses para uma cultura tão rica”. Ele ainda avaliou que o Bumba meu Boi de Seu Teodoro “é patrimônio de Brasília e do Brasil”.

Vários depoimentos de participantes da sessão solene exaltaram Seu Teodoro e o Boi. Pablo Ravi, do grupo Pé do Cerrado disse que “sempre se inspirou no mestre” e salientou a responsabilidade da família Freire em levar o projeto adiante. Enquanto o artista plástico Toninho de Souza, que cresceu em Sobradinho, na mesma quadra onde se realizava a festa popular, declarou: “Seu Teodoro é um guerreiro da arte popular brasileira”. Gerente de Cultura de Sobradinho, Benedito Fernandes Almeida, o mestre Bené, acrescentou que, a partir do Bumba meu Boi de Seu Teodoro, “a cultura popular brasileira também foi difundida para outros países”.

Marco Túlio Alencar – Agência CLDF