Na manhã desta quinta-feira (2), aconteceu a primeira sessão de oitiva da CPI dos Atos Golpistas, na CLDF. O deputado distrital Fábio Felix (PSOL, membro da comissão, fez vários questionamentos ao ex-secretário executivo da Secretaria de Segurança Pública do DF, Fernando de Sousa Oliveira.


Entre as perguntas, o deputado questionou se houve alguma obstrução por parte do Exército para que fossem feitas as prisões na noite do dia 8 de janeiro, no acampamento do QG do Exército, quando terroristas depredarem as sedes dos Três Poderes.


“Eu estava in loco, as forças de segurança estavam prontas para efetuarem as prisões mas havia uma linha de blindados, dezenas de militares e não foi permitido a prisão de nenhum dos criminosos que adentraram ao QG do Exército. Só foram executadas na manhã da segunda-feira”, afirmou Fernando Oliveira.

Foto: Rogerio Lopes


“A atuação do Exército no dia dos atos terroristas nos gera muita preocupação”, ponderou Fábio. “Houve conspiração dos agentes públicos, não sabemos quais, mas o idealizador de todo esse projeto foi o próprio presidente derrotado, Jair Bolsonaro”, acrescentou o parlamentar.


O deputado também questionou o ex-secretário sobre o Jorge Eduardo Naime, ex-comandante de Operações da Polícia Militar do DF, outros sete comandantes e Anderson Torres estarem de férias quando ocorreram os atos golpistas. Fernando Oliveira respondeu que não havia sido apresentado a nenhum oficial ou comandante da Polícia Militar, e disse não saber quem autorizou as férias coletivas.


O ex-secretário enfatizou que determinou verbalmente o imediato recrutamento de todas tropas, assim que o Congresso foi invadido. “Demorou muito para esse efetivo chegar e também não sei o motivo, porque deveriam estar de prontidão. É visível que houve erro de execução por parte da PM, as imagens falam por si só. Eu disse ao Anderson que a PM não me enviou o plano de execução deles e, depois da investigação feita pelo o interventor federal, ficou constatado que sequer havia plano”, relatou Fernando Oliveira.


Ao fim da sessão, foi aprovado o requerimento de autoria do deputado Fábio Felix (PSOL) que solicita a quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico do ex-comandante da PM, Jorge Eduardo Naime.


A CPI dos Atos Golpistas segue com as oitivas todas as quintas-feiras, às 10h da manhã. Na próxima semana, dia 9 de março, os convocados são: o ex-secretário de segurança, Anderson Torres, e a ex-sub-secretária de inteligência da Secretaria de Segurança Pública do DF, Marília Ferreira Alencar.