No início da tarde deste sábado (29.10), a Deputada Federal Carla Zambelli (PL) virou manchete na imprensa por ter sacado uma arma de fogo, em via pública, contra o jornalista Luan Araújo, homem negro de 32 anos. O crime teria acontecido em frente a um estabelecimento comercial, localizado no bairro de Jardins, na cidade de São Paulo, e resultou em perseguição armada contra o ofendido praticada pela parlamentar e por um segurança particular.

Luan relatou à imprensa que, ao retornar de um chá de bebê com amigos, avistou a Deputada Federal em campanha eleitoral para Tarcísio de Freitas (Republicanos), candidato a Governador de São Paulo. Zambelli interpelava o recepcionista de um bar e pedia seu voto, quando, em resposta, o jornalista manifestou seu descontentamento e fora perseguido à luz do dia com armas de fogo apontadas para si e para um colega.

Em seu Instagram, a parlamentar disse que registrou um Boletim de Ocorrência e que ela teria sido a vítima. “Fui agredida agora pouco, me empurraram no chão. Eram vários. Eles usaram um homem negro para vir para cima de mim”, afirmou. Vídeos compartilhados pelas redes sociais e imprensa, entretanto, revelaram que Carla caiu sozinha.

Em entrevista à Folha de São Paulo, a parlamentar disse, ainda, haver ignorado de forma consciente a Resolução do TSE que proíbe o porte de armas de fogo nas vésperas das eleições.

Assim, considerando a situação, solicitamos ao Tribunal Superior Eleitoral para que haja a apuração do descumprimento da Resolução TSE nº 23.669/2021 e a devida responsabilização da representada pela prática de crime eleitoral.

Segue a representação:

SEI_CLDF-0945218-Oficio-Carla-Zambelli