Bolsonaro, tire as mãos das universidades federais

As universidades federais são espaços importantes de formação política e social do povo brasileiro. Por isso Bolsonaro quer acabar com todas elas, cortando todos os recursos financeiros e forçando que fechem as portas no momento que mais precisamos da ciência, da pesquisa e da tecnologia para superarmos a pandemia. São gravíssimos os anúncios de que […]

14 maio 2021, 18:31 Tempo de leitura: 1 minuto, 22 segundos
Bolsonaro, tire as mãos das universidades federais


As universidades federais são espaços importantes de formação política e social do povo brasileiro. Por isso Bolsonaro quer acabar com todas elas, cortando todos os recursos financeiros e forçando que fechem as portas no momento que mais precisamos da ciência, da pesquisa e da tecnologia para superarmos a pandemia.

São gravíssimos os anúncios de que a UFRJ, a melhor instituição de ensino superior do Brasil, pode encerrar todas as suas atividades em julho e que a UnB está com o caixa de recursos para investimentos em 2021 zerado. E não são problemas isolados. Esse desmonte das nossas universidades faz parte do projeto desse desgoverno de matar a educação publica brasileira por asfixia.

Eu comecei minha militância política, me formei como cidadão e aprendi o que é viver em liberdade na UnB. Foram bons tempos de movimento e congressos estudantis, mobilização diária, ocupação da reitoria, greves estudantis, de docentes e de servidoras/es, intensa luta contra a precarização da universidade pública e em especial contra a privatização da universidade que Darcy Ribeiro e tantos e tantas outras sonharam.

Por muito tempo o grande sonho de pais e mães, sobretudo mais pobres, foi ver seus filhos e suas filhas ascenderem socialmente através da educação, sendo o primeiro membro da família a entrar numa universidade. Muitos ainda precisam ter o direito a viver esse sonho.

É hora de nos mobilizarmos mais uma vez! Estudantes, professores e todos os defensores da educação, vamos gritar bem alto para Bolsonaro: TIRA A MÃO DA FEDERAL.