Jovens cientistas do Gama vêm ao Gabinete 24

24 jan 2020, 18:19 Tempo de leitura: 2 minutos, 14 segundos
Jovens cientistas do Gama vêm ao Gabinete 24

Estudantes do CEM 02 do Gama listaram as necessidades para aprimorar pesquisas do Clube de Ciências que criaram na escola

Foram diversos testes e insucessos até que o resultado final fosse satisfatório. Depois de muita pesquisa e experimentações, estudantes do Centro de Ensino Médio 02 do Gama se dispuseram a encontrar alternativas para a substituição do plástico. E descobriram algo surpreendente: a partir de alguns procedimentos, a casca da laranja é capaz de formar uma película similar ao material poluente. Como reconhecimento, a iniciativa foi selecionada para uma competição científica na Malásia, em outubro deste ano.

O bioplástico da casca da laranja durou quase um ano para ser viabilizado. “Começamos a buscar alternativas para a substituição do plástico a partir de produtos que o Brasil produz em abundância, como a laranja. Foram várias as tentativas, testes e dificuldades, mas hoje nós conseguimos chegar a um resultado efetivo”, conta Kazue Nishi, aluna do CEM 02 e participante do projeto Clube de Ciências, idealizado pelo professor Alex Aragão.

Reunião com alunas, professor e equipe do Gabinete 24. Foto: Alexandre A. Bastos

Aragão conta que começou o projeto na raça, entendendo que o fomento à ciência abre portas e novas possibilidades aos jovens, além de contribuir social e economicamente para o desenvolvimento do país. “O incentivo à pesquisa tem sido transformador para os estudantes. Hoje, os alunos desenvolvem projetos que apresentam uma linguagem científica apurada, fruto de muito trabalho e estudo. E não para de crescer o número de frentes de estudo em diversas áreas como robótica, agricultura, química”, relata o professor.

Mas mesmo com o sucesso do Clube de Ciências, docente e jovens cientistas ainda enfrentam muitas dificuldades para aprimorar o trabalho. São necessários materiais e reagentes específicos e laboratórios equipados para pesquisas tanto na área de química e agricultura, quanto na hora de robótica e novas tecnologias. “A falta de incentivo à pesquisa é grave no Brasil e se estende da escola à universidade. O projeto do Gama é um exemplo para o Brasil, porque propõe alternativas ecológicas para questões práticas do dia a dia, como substituição de plástico por material biodegradável”, afirma Fábio Felix.

Ao fim do encontro, ficou acertada a elaboração de um projeto por parte da escola para que recursos de emendas parlamentares possam ser destinados para o Clube de Ciências. Fábio Felix se dispôs a destinar emendas e a sensibilizar outros colegas de Câmara Legislativa em prol das adequações necessários no CEM 02 do Gama.